quarta-feira, 30 de julho de 2008

Tem gente que só pensa naquilo...

Sexo. Essa palavra mexe contigo, comigo e com todo mundo. Mexe pelo que ela significa e pelas segundas, terceiras e quartas intenções que ela carrega. Sexo, sexo, sexo. Sexo que denigre. Sexo que dá prazer. Sexo que vende. Sexo casto. Todos os “tipos” de sexo, em gênero, número e grau.
Nós carregamos todos os estigmas desta palavra. Todos os tabus e preconceitos. A maneira como nos referimos ao sexo já denota muito da nossa relação com ele. Por exemplo, aqueles que sempre têm um piadinha -geralmente machista e grosseira- sobre sexo ou aqueles que falam o tempo todo sobre o assunto me fazem crer que essas manifestações só podem ser fruto de uma péssima relação com o dito cujo. E que carregam uma porção de preconceitos e castrações neste sentido.

Não quero julgar ninguém. Mas o que pensar da pessoa que se esborracha de rir de uma piada que no mínino constrange metade das pessoas que a ouviram, de tão chula, tão grosseira? E da pessoa que não pensa duas vezes em contá-la? Ou da terceira que perde seu precioso tempo em elucubrações sobre a vida sexual alheia? Particularmente, acho que isso é imaturidade. Imaturidade e falta de prática. Coisa de quem não entende mesmo do que está falando.

Para mim, sexo é um assunto que deve ser discutido tão somente entre as pessoas envolvidas. A dois (ou mais, vá lá, tem gente que curte). Deve ser discutido com respeito, com naturalidade. Não é aberração para virar piada. Não é crime para ser julgado.

É só sexo, gente. Precisa falar mais?

Um comentário:

Lai disse...

rs! Mana, mandou muito bem!